A atualidade da missão de São José

+D. Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora – MG.

Dois textos bíblicos falam de José, o pai adotivo de Nosso Senhor Jesus Cristo: Mt 2, 13-23 e Lc 2, 4-52. Destes textos, uma atenta leitura nos leva a tirar dois dados importantes: sua condição de carpinteiro: “Não é este (Jesus) o filho do carpinteiro?” (Mt 13-55). Era conhecido, portanto, em Nazaré, por seu ofício. O outro dado é um juízo sobre sua pessoa: “Seu esposo José, como era justo e não queria colocá-la em evidência…” (Mt 1,19). Por estes textos e dados fundamentais, reconstruiu-se a imagem de São José como esposo fiel de Maria, pai adotivo de Jesus e honrado artesão e operário, que vivia de seu trabalho. Nada mais sabemos de sua vida, nem de sua morte, a não ser através dos evangelhos apócrifos.

A figura de São José adquire em nossos dias uma grande popularidade. Pio IX o declarou patrono da Igreja Universal, Pio XII instituiu a festa de São José Operário, João XXIII pede sua proteção especial para o Concílio Ecumênico Vaticano II e acrescenta seu nome ao cânon da missa. É ainda patrono dos pais de família, dos tesoureiros, dos procuradores, dos trabalhadores em geral. Servidor fiel e prudente a serviço da Sagrada Família, continua sendo servidor da família cristã, modelo das virtudes do lar.

A vida de São José foi toda ela um contínuo serviço a Jesus e a Maria. Nós cremos que foram realmente proféticas as palavras que lhe dirigiu o sábio oriental quando lhe disse que ele era “o mais feliz dos mortais…” Sim, ele o foi. Que outro paraíso podia dar-lhe Deus, se ele já viveu o céu na terra?

Nós falamos de São José, que tão pouco foi mencionado, mas precisamos falar com ele. Na verdade, ele nos disse muitas coisas com o seu silêncio eloquente e santificador, com a sua prontidão em executar os desejos de Deus. Jesus, que sempre nos ensina a toda a humanidade, a dignificar o próprio trabalho, recebeu seu carinho e proteção.

São José é o protetor da Igreja Católica Universal, que peregrina em todo o orbe. Devemos ter uma profunda devoção por ele porque protegeu Maria e Jesus e é modelo de todas as virtudes.

Se confiarmos aos seus cuidados à unidade da Igreja, as ordens e os movimentos religiosos, as famílias, ele guardará os jovens e as crianças para que não sejam arrastados pela maldade do mundo, mas caminhem protegidos por ele, segundo os planos de Deus.

Procuremos descobrir hoje e sempre, continuamente, a presença de São José em nossas famílias, no mistério de nossa fé. E ele continuará sendo, como sempre o foi, o nosso protetor, o nosso modelo. Que ele rogue a Deus por nós, por este mundo tão afastado do amor e que precisa tanto seguir o exemplo deste santo, escolhido e amado por Deus, por Maria e por nós.

– São José, rogai por nós!

Fonte: Rádio Vaticano.