História da fundação Congregação

Com o ardor e o vigor dessas duas grandes figuras, Pe. Vicente Gargiulo (1834-1895) e Maria Luiza Russo (1830-1891) a família religiosa das Irmãs Franciscanas Alcantarinas, “na pobreza de Jesus Cristo” e como “uma pequena semente do Santo Evangelho”, iniciou-se na região portuária e pobre em Castellammare di Stabia, perto de Nápoles, Itália, na paróquia do Espírito Santo, no dia 17 de setembro de 1870, para responder ao “grito” da pobreza moral e material que caracterizava o contexto sócio cultural do sul da Itália depois da união do Estado Italiano.

Nesta data, algumas jovens iniciaram a primeira fraternidade alcantarina. O Instituto nascente foi agregado à Ordem Terceira Franciscana dia 14 de setembro de 1874 e à Província Alcantarina de Nápoles dia 14 de outubro do mesmo ano. Dia 17 de outubro de 1874 o Instituto foi aprovado pelo Bispo diocesano Dom Francesco Savério Petagna como Instituto de direito diocesano com o titulo de “Filhas Pobres de São Pedro de Alcântara”. No mesmo dia as primeiras doze jovens receberam o hábito alcantarino. No pontificado do papa Leão XIII, dia 10 de setembro de 1894, o Instituto obteve o Decreto de Louvor e dia 14 de janeiro de 1903 a Aprovação Pontifícia, com o nome de Irmãs Terciárias Franciscanas Alcantarinas.

Fiéis ao mandato da Igreja, as irmãs franciscanas alcantarinas, vivem, guardam, aprofundam e desenvolvem o carisma de fundação, numa constante escuta dos sinais dos tempos, para responder às necessidades da Igreja e do mundo que nos interpelam de modo sempre novo .